quinta-feira, 30 de abril de 2009

De cada vez percebo menos!

Que será que leva as pessoas a juntarem-se em grandes multidões, que raio motiva milhares a ir a um estádio de futebol,”a paixão” e todos sabemos que um ser humano apaixonado é um ser humano parvo, então o que motiva as pessoas a irem em massa para um corte de ténis a um circuito de velocidade, e pagarem preços isurbitantes pelos ingressos de entrada, bom dirão alguns, é a adrenalina, pensão outros, estamos a chegar ao mês de Maio, e nesta altura milhares de portugueses, caminham de todos os pontos do Pais em direcção a Fátima, com acentuado sofrimento, é a fé responde a maioria, é a fé para com a senhora que apareceu na Cova de Iria, é a nossa Mãe respondem os homens de fé.
Tudo bem, não concordo, mas aceito ainda que pense que uma mãe não quer que os seus filhos sofram, penso eu, tal como os muçulmanos se deslocam a Meca e milhares morrem esmagados ou desnutridos, será que o Maomé quer que o seu povo sofra, bem é mais uma vez a fé “move milhões” a falar um pouco mais alto que o razoável.
Então e como se explica o seguinte, no Inverno passado o vento destruiu na barragem dos Pisões as redes do viveiro de trutas que ali funciona, como veio esta noticia em toda a comunicação social. No dia de abertura, da pesca á truta deslocaram-se para a dita barragem milhares de pescadores. Não ligaram há humidade que se fazia sentir na altura, ao frio e falta de conforto todo isto por um lugar de destaque junto a barragem, foi um autêntico corrupio.
Agora pergunto eu, o que levou estas pessoas a deslocarem-se em massa para este sitio a sofrerem, com o frio e a humidade e a falta de conforto, não foi a fé numa boa pescaria, pois todos sabiam a quantidade de peixe que ali estava, não foi a adrenalina pois todos os pescadores sabem que as trutas da viveiro não dão luta, e ainda por cima tinham fome, não sabem alimentar-se, não foi a qualidade pois não são trutas selvagens como o povo gosta, não foi a ânsia de ganhar no preço/ qualidade pois em qualquer peixaria ou hipermercado gastavam menos na compra que o valor gasto em combustível/portagens, não foi pela boa gastronomia da zona, porque todos sabemos que com muita procura e pouca oferta nenhum restaurante serve bem. Então o que raio levou esta gente a deslocar-se para os pisões neste dia, fica a pergunta no ar.
" O povo não sabe o que quer". É a Maria que vai atrás das outras, como sempre!!!!!

terça-feira, 28 de abril de 2009

O FIM DO MUNDO




Hoje sem mais nem porque, enquanto bebia um café a meio da manhã abeirou-se de mim um sujeito de aspecto duvidoso, e sugeriu que lhe paga-se um bagaço, como não conhecia o indevido de lado nenhum nem tão pouco sou cliente frequente do estabelecimento recosei o pedido, com a insistência do Homem, e a pouca importância dada ao mesmo, pela (presumo dona do referido estabelecimento) retorqui um bagaço não pago, mas se servir um copo de leite isso pose ser.
A resposta não se fez esperar, é o fim do mundo, “leite” é o fim do mundo, avisou o Homem, retirando-se a falar sozinho, sem dar a perceber o que dizia.
Passei parte do caminho a pensar na situação “o fim do mundo” será que o fulano tem razão, estaremos nós perante o fim do mundo, talvez para alguns, hoje seja o fim do mundo, como será este afinal? Como iremos nós acabar? E quando? Acho que cheguei a uma conclusão. Não, não será com esta gripe dá suínos, não será com o aquecimento global, não será, com nenhum meteorito, então como será o fim do mundo?
Já ouviram porventura falar das invasões de gafanhotos, comem tudo á sua passagem, será com alguma certeza algo parecido, será uma invasão de Chineses, Sim Chineses, eles já estão por ai a espiarmos, já são mais que as mães, e continuam a crescer em numero desenfreado, são um inimaginável contingente, em breve devoram todo á sua passagem, não haverá maneira de os segurar, serão piores que os gafanhotos, reprudusen-se em escala industrial, acreditem eles são o diabo como diziam os mais velhos quando eu era ainda um puto pequeno.
"HÁ NESTA ALTURA NA CHINA CENTENAS DE FÁBRICAS COMO ESTA" não abrir o vídeo se não estiver minimamente preparado,(a) imagens fortes!!!!!!!!!!

video video

domingo, 26 de abril de 2009

E AGORA!!!!



Como vai ser o nosso futuro, que vai acontecer a seguir, entramos num dilema com poucas soluções, ou seja estamos conscientes que é preciso mudar rapidamente os nossos hábitos de consumo de energia, pois o planeta não aguenta muito mais.

É necessário mudar para energias alternativas o mais rápido pocivel, para não epotetecarmos de vez a nossa isistencia, mas há sempre um mas, porque temos que pensar o que vai ser dos povos que hoje fornecem o petróleo a todo o planeta.

Será que álguem já parou para pensar, como vai ser a subrevivencia destes povos, sem a sua fonte de financias. Aquela zona do planeta não é de maneira nenhuma autósufeciente a nível alimentar, nem tão pouco há água sufeciente para existir culturas,ou saciar a sede ás suas populações, e todos sabemos que estas não são nada pacificas, aliás eu diria que são até muito agressivas, se de uma década para a outra deixarem de ter compradores para o petróleo como vai ser? Já alguém refleteu o que seria todas estes povos a deslocarem-se em massa e para onde, Iraquianos, Iraquianos, Israelitas, Árabes S., Egitos, Turcos... Como será! Toda esta gente em deslocação, e para onde, onde se encaixam todas estas pessoas, com as suas crenças, com todos os problemas que dai advêm.

Não estaremos nós a caminhar rapidamente para um terceira guerra mundial? Devo ser só eu a divagar coisas sem sem sentido, ou não!

Não seria melhor os senhores do planeta começarem já a pensar nisto, para amanhá não ser tarde de mais, este vai ser um problema muito sério a curto prazo, disto tenho certeza.

É evidente que se por um lado temos o problema do aquecimento global, por outro temos que encontrar soluções para estes povos.

caso contrário é inevivitável um conflito Mundial.


sábado, 25 de abril de 2009


UM AMIGO.




Nesta altura de crise de finanças e valores todos pensamos um pouco mais na realidade em geral, no presente, no passado e como não podia deixar de ser um pouco no futuro.
Do futuro nada sabemos pois está para além da nossa imaginação, o presente vivemo-lo como podemos sempre na ânsia de sermos felizes,  muitas vezes nem damos conta de quem está ao nosso lado ou de quem deixamos para traz.
Um dia destes dei comigo a pensar em algo que fui esquecendo inconscientemente e que deveria estar mais presente na minha memória. Pelo tempo que passamos juntos, pelos dias de solidão lado a lado sem nunca ouvir uma reclamação do guisando, sabendo eu que sempre fui um pouco difícil, sempre revoltado com a vida e ele nunca se queixou, bem sei que me pregou algumas partidas como aquela vez que me roubou a minha primeira bola de borracha que veio não sei bem de onde, depois de saber perfeitamente que eu não tinha outra, e que foi puro azar a tabela que a mesma fez num esteio da ramada, mais sabia perfeitamente que eu não a podia seguir muito tempo, nem uma grande distancia pois o gado que guardava podia assaltar as couves do batatal, pois mas tinha a compensação da sua companhia dos banhos nas suas águas límpidas e frias. Claro que se me lembrar da cabana feita de copas de palhas que me levou, quando rapidamente galgou as margens num dia mais chuvoso, e sabia, perfeitamente, o trabalhão que eu tivera a construi-la. Pois mas nunca reclamou comigo quando eu era capaz de roubar um ou outro peixe, sempre me deixou ganhar as regatas de barcos de papel, ainda que só os meus barcos concorressem. Mas também fazia as suas malvadezes, ai fazia fazia se assim não fosse tinha-me devolvido aquela ninhada de gatos que a minha mãe atirou para as suas límpidas águas, tinha obrigação de mos devolver, mas não foi um ato de malvadez.
Passaram os anos eu cresci e esqueci-me de ti, quantas vezes passei sobre as tuas pequenas pontes, sem tão pouco te olhar com atenção, sem me recordar um momento que fosse do nosso passado em conjunto, sem reparar que estás igualzinho, tantos anos depois.
Eu vou envelhecendo com o passar dos anos e tu não mudas em nada felizmente continuas impávido e sereno como sempre foste, as tuas águas continuam límpidas e frias como sempre foram, continuas a irrigar os lameiros como sempre fizeste só já não fazes mover os moinhos e as serrações como no passado porque as pessoas são cada vez mais parvas, pois a tua força motriz continua igual, as pessoas, essa é que tal como eu se esqueceram de quanto to és importante para todos nós
Sabes apesar de tudo, apesar de me ter esquecido de ti todos estes anos, eu tenho agora a certeza que to guisando ainda és meu amigo!

domingo, 19 de abril de 2009

TRETAS








Todos temos duvidas, quando falamos de vigaristas encobertos?





Quando os mesmos parecem dereitinhos, nem um prato quebram! Pois não é bem assim.





ou seja há por ai um bando de filhos da Mãe que enganam todo e todos,durante uma eternidade de tempo, levam a água ao seu moinho sem que as multidões dêem conta, não vale a pena andarmos muito atentos pois quando olhamos para o lado já estamos a ser enganados.





Bom devem pensar que estou a reinar, não é a pura verdade são os mais bonitos que nos levam a sérta, e sem levantar a mínima suspeita, e quando damos conta já é demasiado tarde para uma qualquer reáção. ficamos sempre com a sensação que devíamos ter desconfiado mas!






segunda-feira, 13 de abril de 2009

COITADINHOS DOs (G N R s)

Que pena, estou mesmo arrasado, com os problemas que assolam os nossos GNR(S) não são capazes de pagar as suas dividas, que grande bronca que problema, que pena que eu sinto destes senhores,"coitados"são obrigados a trabalhar"trabalhar!!!" nesta força armada e "só"recebem 750 euros mensais mal dá para os copos como vão os coitadinhos manter duas casas uma onde vivem normalmente outra onde estão destacados.volto a dizer"coitadinhos" vocês nem sabem o quão difícil é estar um dia inteiro a coca de umas multas, sempre a ver se apanham algum zé incauto para morderem, em vez de orientarem o transito normalmente para que tudo corra com normalidade.
Tão habituados que eles estão a receberem umas borlas, nem dão conta que só estão na GNR porque les convém, não se sentem bem vão dar uma volta, vão á procura de algum trabalho a sério,nas obras, em alguma têxtil ou então em alguma oficina onde sintão todos os dias e todas as horas o patrão á perna. ou então agarram num volante de um camião e sintão na pele a dificuldade desta vida, tantas vezes muito mais mal paga que os seus 750 euros que levam na GNR sem uma única gota de suor, e tantas e tantas vezes roubados pelos ditos policias da treta, sim roubados ou têm duvidas que estes senhores roubam a vista de olhos, levam couro e cabelo, e o pobre desgraçado nem tão pouco pode abrir o bico pois se o fizer fica-lhes na mira ou seja está feito au bife. GNR, grande treta esqueceram-se estes senhores que quando se alistaram ficaram logo a saber que podiam ser destacados por todo o continente mas continuaram,também souber am logo que não tinham direito a sindicatos mas rendivicaran-nos, sabiam os ordenados mas agora contestam-nos vão mas é bugiar deixem-nos fazer greve e abram as portas dos quartéis ao povo e distribuam os bastões que eles usam para carregar nas multidões, para sentirem na pele como ela doem, para pelo menos uma vez na vida se sentirem homens normais, e se ficarem magoados os inflizes, sentirem quanto custa ir ao médico e pagar a conta na farmácia coisas que nem lhes passa pela cabeça coitados dos inflizes, só recebem 750 não são capazes de sobreviver, pergunto eu?e os portugueses que têm salários em atraso e os que só recebem salário mínimo, e ainda têm que pagar as contas médicas por inteiro,como sobrevivem eles,pobres GNR(s).